Meus textos! ;D (Texto Novo!)

Texto #1 

Psychopath


"There are cracks in the road we lay.
Há buracos na estrada que projetamos
But we're the devil filth, the secret death gone mad.
Mas aonde o templo caiu os segredos enlouqueceram
This is nothing new, but would we kill it all?
Isso não é novidade, mas nós mataríamos tudo ?

Slipknot - Psychosocial


*~*~*~*


Olhei pra você.


Como pode fazer isso comigo?
Brincou com meus sentimentos, brincou com meus segredos, segredos, esses, que jamais poderiam ser revelados.

-Por quê?

-O que?

-Por que você falou dos meus segredos?

-Porque quis. - Lançou-me um olhar óbvio.

-E você fala assim como se fosse nada!

-Mas é nada.

-Certeza?

-Nunca tive absoluta certeza, sua estranha.

Suas palavras vieram como seis tapas em meu rosto.
Fechei os olhos pelo impacto da dor estampado em suas palavras.

-Você é uma estranha, sem noção, louca, doida. Você tem problemas psicológicos, garota! Você precisa de tratamento.

Lágrimas começaram a rolar pelo meu rosto.
Como...? Como você...?

-Por-por quê? - Sussurrei em meio ao choro.

-VOCÊ É LOUCA! TEM PROBLEMAS PSICOLÓGICOS E PRECISA DE TRATAMENTO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL! - Gritou batendo a mão na mesa e levantando-se.

Meu coração parou. Minha respiração falhou.
Levei a mão ao pescoço na tentativa de abrir algum espaço para eu poder respirar.
Olhei aflita para ele pedindo ajuda, mas ele só abriu um sorriso de escárnio.

-Tenho pena de você, louca. - Saiu do quarto batendo a porta.

Eu só sei que a partir daí ficou tudo preto.

--------------------------------------------------------------------------

Texto #2

Miracles

But miracles don't happen here
Mas milagres não acontecem aqui
Miracles don't happen here
Milagres não acontecem aqui
Miracles don't happen here
Milagres não acontecem aqui

Miracles - Stone Sour

*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*

Estou aqui, sentada, esperando alguma coisa. Algum sinal.
Olho pra ele e o vejo com a cabeça baixa e a perna esquerda em um movimento frenético para cima e para baixo.
Vi uma lágrima cair dos seus olhos e tocar o tapete, molhando-o.

-Você não vai fazer nada, não é?

-O que você quer que eu faça?
-Não sei. Você sempre tomou a frente das situações, pensei que agora não seria diferente. - Suspirei segurando o choro.

-Mas agora eu não sei o que fazer. - Chorou.

-O que você fez foi errado?

-É pra eu achar errado?

-Eu acho, não é?

-Então eu acho errado.

-Mas não é porque eu te disse! - Aumentei o tom de voz.

-Não fala alto comigo, por favor. - Pediu chorando. - Me sinto pior do que estou.

-Pior do que eu você não está.

-Eu acho que não.

-Hn. - Olhei para ele com desprezo. - Você tem consciência do que fez?

-Para de fazer essas perguntas.

Calei-me surpresa.
Ele nunca foi tão frágil a esse ponto.
Nunca pediu pra eu parar de acusá-lo.

-Eu não queria ter feito isso.

-Mas fez.

-Será que é difícil você entender que eu também erro?

-É!

-Será que é difícil você se por no meu lugar e imaginar a dor que eu to sentindo?

-É!

-Se fosse você no meu lugar, entenderia.

-Hn.

-As pessoas só vão se entender se conhecerem a dor uma da outra. - Levantou-se.

-Então vai embora assim?

Me olhou. Seus olhos estão vermelhos e molhados devido ao choro. Vi dor pulsando em seus olhos. Muita dor.

-No dia que você me entender, eu volto e conversamos. - Saiu.

Milagres não acontecem aqui.

Vou procurá-lo em outro lugar então.

Quem sabe você não estará lá também?

Melhor!

Vou te levar comigo.

---------------------------------------------------------------------------------

Texto #3

Need You Now

“I just need you now,
I just need you now.
Oh, baby I need you now.”
Lady Antebellum – Need you now.
*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*~*
Levantei do sofá depressa. Fui até o meu quarto e entrei já me dirigindo ao armário. Estique meus braços e peguei uma caixa grande, redonda e verde.
Sentei na cama de casal que havia ali e a abri.
Dei de cara com fotos sua. Fotos nossa.
Peguei uma e ri quando a vi. Nela estávamos eu e você deitados na cama enrolados em lençóis brancos e alguém tirou a foto de cima.Mas, quem a tirou?, perguntei-me, ah, sim, foi um book que fizemos antes do casamento!, concluí.
Sorri, beijei-a e a guardei.
Peguei um álbum enorme com a capa verde e escrito Lembrançasem letras cursivas e dourada. Não estava empoeirada, velha ou feia. Estava limpa e conservada.
O abri e vi uma foto minha quando era criança. Apenas sorri e fui direto para o meio, quase final, do álbum.
Lá tinham fotos nossa.
Uma vontade imensa de chorar surgiu quando as vi. Tinha tudo quanto é tipo de foto de nós dois ou acompanhados por pessoas especiais.
Deu-me uma vontade que acho que se eu a realizasse me arrependeria muito, mas a realizei.
Olhei para o meu lado direito e vi o telefone ali. Fiquei tentada em te ligar e assim o fiz.
Enquanto eu escutava o cansativo e nervoso bip, eu me perguntava se ainda você pensava em mim depois que nos separamos. Se eu ainda passava pela sua cabeça, não de uma forma odiosa ou ruim, mas de uma forma boa e agradável. E eu me perguntava isso porque você não deixava de passar pela minha cabeça um segundo se quer! E isso está me deixando doida, me corroendo.
Alô?
Ouvi sua voz e... e me derramei em lágrimas.
Alô? – Perguntou um pouco mais impaciente. – Olha, se for trote, desista! Não estou para brinc-
–Sou eu! – O interrompi. Uma coisa que ele odeia é ser interrompido.
Eu quem?
–Sakura. – Disse chorando nervosamente.
Aconteceu alguma coisa? – Não ouvi preocupação em sua voz, mas o conhecer, como eu conheço, sabia que está muito preocupado.
–Vo-você p-pode v-vir aqu-qui em ca-casa?
Sakura, respira! – Ele sempre me dizia isso quando eu estava muito nervosa. Desligou.
Peguei o gancho do telefone e olhei confusa e chorando muito para ele. Como ele desliga dessa forma?
Joguei o telefone contra a parede tremendo de raiva e levantei indo pegar uma grande dose de uísque.
Droga!, parei para pensar, Estraguei mais um telefone!. Bebi um gole grande de uísque. E não olhava para lugar nenhum a não ser a porta.
Antes, quando te ligava dizendo que precisava de você, e você vinha correndo. Não tocava a campainha e entrava arrebentando a porta.
Agora não tenho muita certeza que você vá fazer isso, mas fico aqui, mergulhada e me iludindo com a expectativa de que você vem. Mergulhada e me iludindo com a possibilidade de que você necessite de mim tanto quanto necessito de você.
Uma hora se passou e nada de você vir.
Estou destruída, bêbada e fora de mim.
Chorando, quebrei tudo que tinha em casa e depois fui até meu quarto.
–Você não passa de um grande... – solucei - ... babaca!
Só lembro-me de ter me jogado na cama e mergulhado no sono mais profundo.
Mergulhado no sono mais profundo... precisando de você.

Nenhum comentário: